Páginas

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Tranquilizantes? será???









Depois da terceira quimio, hora dos exames, tomografia e CA 125, comentei com a médica, enquanto ela me prescrevia as guias para os exames, que  sempre ficava bastante ansiosa com os exames, principalmente por fazê-los numa cidade que não conheço direito e por ter que fazê-los em um hospital, não numa clínica,como normalmente faço,então ela me passou a receita de um remédio para dormir.

Sai da consulta encantada, nunca me deram remédio para dormir.Aprendi a acalmar meu espírito e encarar que a morte faz parte da vida, mas fiquei feliz de engolir um comprimido para dormir e poder deixar de vez enquando os exercícios da alma e do corpo que aprendi a fazer para me tranquilizar.

Assim que aportei em Lins comprei os comprimidos mágicos. Na primeira noite mal consegui terminar o relaxamento e apaguei...hummm!

Exames feitos, tomografia no hospital com pessoas tão sem preparo que passaram a maior parte do tempo do meu lado, preocupados que eu tivesse um piripaque lá mesmo, parecia ser a primeira pessoa que viam com câncer, me perguntaram até porque eu ainda tinha cabelos, fiquei com medo.Mais a noite, comprimidos, reflexão e relaxamento zero, apaguei.

Comecei a sentir uma sonolência sem fim, uma vontade constante de chorar, mas fui em frente tomando o remédio. Na volta à Campinas com os exames,minha médica me disse que havia uma diminuição de 59% do tumor no baço e do CA."Vamos fazer mais um ciclo de três quimios e diminuir mais para a cirurgia".Comecei a chorar, muuuuuiiiiiito, como se tivesse recebido uma péssima notícia, o que não era o caso, não conseguia me controlar. Dois dias depois fui para 4 ª quimio,onde faço é um espaço tranquilo ,as pessoas ficam bem sossegadas recebendo seus medicamentos, leem,dormem,usam o notebook, enfim passam o tempo, vão embora e cuidam de suas vidas,sempre foi assim comigo também.Não dessa vez, não consegui entrar na sala, comecei a chorar sem fim, me colocaram numa cama hospitalar num lugar privativo e morri de vergonha, muitas pessoas passam por isso, algumas até mais novas, ninguém, pelo menos não lá, ficam fazendo "cena".

Quimio feita na sexta, domingo voltei para Lins, me sentindo péssima, não conseguia nem beber água. Dai em diante foi um verdadeiro inferno. Eu dormia e chorava, só. Queria morrer! Não conseguia comer, beber água, nada, só dormir e chorar.

Então minha mente perturbada naquela loucura parou para pensar: O que estava diferente?O que eu estava fazendo diferente? O remédio, claro, só podia ser, era a única novidade em tudo isso. Me preparei, livros escolhidos para atravessar a noite,água e agir com serenidade diante da abstinência.

Dois dias depois comecei a melhorar visivelmente e simplesmente passou. Só que ai era tarde, não me alimentei direito, pequei gripe na semana da próxima quimo, a 5ª e então não pude fazê-la no programado. Mais uma semana para esperar, tudo bem,já estou em Campinas e sei que dará certo.

Nesse tempo aprendi que ansiedade, angustia são coisas inerentes a todo ser humano, não importa se com câncer, um novo projeto,um novo emprego, um velho emprego, uma prova,um exame,vestibular,um TCC, enfim, as demandas da vida são para todos, há de se saber dominá-las.






Postar um comentário