Páginas

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

UTI







Tive as primeiras consultas esta semana com minha oncologista e em São Paulo com o cirurgião. Bora fazer os exames de rotina:  CA 125, Tomografia. Vamos ver....


Em São Paulo fui operada no Hospital AC Camargo com o Dr. Ranyel. 

Depois da cirurgia de 14 horas tive um grande problema respiratório, segundo os médicos,pode ter sido causado pelas quimioterapias ( inflamações) ou pelas transfusões de sangue, não se sabe. 

 Inicialmente,para que eu pudesse respirar sem tanto sacrificio,  me colocaram um capacete de acrílico que supria o oxigênio com alta pressão e me obrigava a respirar.

Percebi que apesar deste eu não conseguia me recuperar e então pedi ao médico da UTI   que me entubasse e me sedasse, eu não estava mais dando conta. Ele me respondeu que sim, se o quadro se agravasse ele faria isso. Algumas horas depois os  médicos me avisaram que estudaram meu caso e  cegaram a conclusão que o melhor era a intubação, eu precisava descansar enquanto o respirador faria o trabalho por mim. Sabedora dos riscos deste procedimento pedi a eles que me deixassem ver os meus filhos, eu não sabia se os veria de novo ou quando.

Na UTI  havia o som do respirador  e um sopro de ar constante fazia tec-tec, conectadas aos meu corpo  estavam bombas de infusão. Monitores cheios de luzinhas de cores variadas piscavam o tempo todo, um motorzinho fazia  funcionar um aparelhinho que enchia e esvaziava uma meias vestidas em meus pés e que as mantinham exercitadas e evitavam tromboses.

Os enfermeiros, meus filhos e as visitantes restritos que chegavam até mim me diziam que eu, mesmo sob coma induzido, abria os olhos, tentava falar, escrevia garranchos numa tentativa de me comunicar  Me lembro de música ( minha filha colocava uma música que gosto muito perto dos meus ouvidos (eu soube depois), lembro de uma voz numa cadência calma e de páginas de livro que se viravam ( minha filha lia para mim), Me lembro de ser chama de mãe.

Uma semana depois sai do coma, quatro  dias depois voltei para casa. Relato aqui com mais calma para que se tenha dimensão do risco que corri, mas que as coisas não necessariamente acontecem conforme o esperado,pode ser melhor :)





Postar um comentário